Dicas de Como Driblar a Fome Emocional

Você está atualmente vendo Dicas de Como Driblar a Fome Emocional

Comer faz parte da vida. O seu corpo recebe os nutrientes dos alimentos. Por vezes, podemos exagerar nos nossos hábitos alimentares e isso pode resultar num ganho de peso. Um problema com a comida é a alimentação emocional.

O problema da alimentação emocional pode terminar com a escala, mas começa na mente. O estresse tem o seu preço na sua vida. Quando suas defesas estão comprometidas, sua saúde é atingida e suas emoções também.

Todos tem dias bons e dias maus. A forma como lidamos com os maus traz o comer emocional para o jogo. Você procura conforto para suas mágoas. As pessoas que se voltam para a comida por conforto encontram um mecanismo de enfrentamento que não as julga, não as magoa nem lhes diz “não”. Para complicar a questão, comer alimentos prazerosos pode estimular a liberação de endorfinas, assim como o exercício físico. Então, depois de comer, você se sente melhor.

Os comedores emocionais usam a comida para aliviar o estresse. Escondem-se atrás do alimento em vez de procurarem soluções para os problemas. Isso não é incomum quando o estressor é algo horrível, como abuso físico ou morte.

Mas, como sabes que estás a usar comida desta maneira? O primeiro sinal é óbvio. Você ganhará peso se você comer demais. Na luz do ganho do peso, examine outras áreas de sua vida:

  • Tens estado sob stress ultimamente no trabalho ou em casa?
  • Alguma coisa traumática aconteceu no último ano?
  • Você está lidando com um problema, mas não encontrou uma solução?

Responder “sim” a qualquer uma dessas perguntas pode significar que você é um comedor emocional. Você come, mas não está necessariamente com fome no momento. Os alimentos que você escolhe são o que nós chamamos de “alimentos de conforto”:

  • Alimentos ricos em gordura, como batatas fritas, frituras em geral;
  • Alimentos ricos em carboidratos, como macarrão com queijo, purê de batatas;
  • Alimentos açucarados como sorvete, donuts, biscoitos, bolo.

Há ajuda para comedores emocionais. O primeiro passo é reconhecer que você tem um problema. Você experimentará sentimentos de desamparo e culpa. A culpa acabou potencialmente arruinando sua saúde e o desamparo reside no fato de que você não vê uma saída.

Em segundo lugar, procure aconselhamento. Existem muitos tipos de conselheiros que podem atender sua necessidade. Comer emocionalmente não tem nada a ver com dieta ou mudar seus hábitos alimentares, mas ganhando controle sobre suas emoções.

Um conselheiro pode sugerir coisas como visualização, prática de habilidades para resolver problemas, técnicas de relaxamento e apoio familiar. A visualização ajuda você a enxergar seus problemas de maneira realista e sem perder a proporção. Você também aprenderá a ver a comida como uma nutrição para o corpo e não uma muleta emocional.

Em terceiro lugar, sua família pode aprender seus gatilhos para o estresse e estar à procura de mudanças em seus hábitos alimentares. Eles podem ajudá-lo a estar ciente dos alimentos que você está comendo, ajudá-lo a fazer escolhas alimentares saudáveis e exercer junto com você. Dieta e exercício adequados aumentam a imunidade, o fluxo sanguíneo e o pensamento positivo. Yoga melhora a conexão mente / corpo para que você não coma quando não estiver com fome.

Encontrar novas maneiras de resolver seus problemas e lidar com o estresse empurrará a comida para fora do problema. Você se sentirá bem em encontrar soluções que substituam a dependência de alimentos.

Aviso: Procure sempre o seu médico de confiança e faça uma consulta.

Deixe um comentário

treze − quatro =